sexta-feira

30

março 2018

0

COMENTÁRIOS

Coronel Lima diz não ter condições ‘físicas e psicológicas’ para depor

Por , Em Fonte BG

Compartilhar paraShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Preso na Operação Skala, o coronel reformado da PM João Batista Lima Filho, amigo do presidente Michel Temer, não vai prestar depoimento à Polícia Federal nesta sexta-feira. A defesa de Lima disse que ele alegou não ter condições “físicas e psicológicas” para dar esclarecimentos à polícia. Os advogados se comprometeram a marcar uma nova data para o interrogatório policial. Lima deve continuar preso até terça-feira.

— Em decorrência do quadro de saúde e da própria circunstância de estar hoje aqui acautelado, ele não revelou condições psicológicas e físicas de prestar seu depoimento. Portanto, preferiu reservar-se o direito de ficar em silêncio. Nega, veementemente, todas as imputações que lhe são feitas, e assumiu o compromisso de prestar depoimento em data futura a ser agendada com a PF — afirmou o advogado Cristiano Benzota.

O coronel Lima chegou a ser levado para uma sala dentro da Superintendência da PF em São Paulo, mas disse que se sentia mal por seus problemas de saúde e que não poderia depor. Caso se sinta melhor, o coronel poderá prestar depoimento posteriormente.

A Operação Skala investiga o favorecimento de empresas por meio da edição do Decreto dos Portos (Decreto 9.048/2017), assinado pelo presidente Michel Temer em maio de 2017. A polícia suspeita que empresas pagaram propina ao presidente e ao PMDB em troca de benefícios. O decreto presidencial ampliou o período para as empresas explorarem áreas portuárias de 25 para 35 anos, podendo ser prorrogados até 70 anos. Os investigadores suspeitam que o decreto teria beneficiado a Rodrimar, que mantém negócios no Porto de Santos, e o Grupo Líder. As empresas negam as suspeitas.

Também nesta sexta-feira, a arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher e sócia do coronel Lima, prestou depoimento aos policiais responsáveis pela operação Skala. Os investigadores queriam saber sobre a reforma feita por ela na casa de uma das filhas de Temer no Alto da Lapa, Zona Oeste da capital paulista, em 2014.

A PF suspeita que as obras foram pagas por dinheiro de corrupção de um esquema do Porto de Santos. Ela se limitou a dizer que não participava da gestão das empresas do coronel e afirmou que só quem poderia dar detalhes sobre esses assuntos empresariais seria o próprio Lima, por isso acabou não respondendo às perguntas da PF. Maria Rita, portanto, não falou sobre a reforma na casa da filha de Temer.

Maria Rita não foi alvo de mandado de prisão e se apresentou voluntariamente ao ser chamada a depor.

— A esposa dele (Maria Rita) nega também todas as imputações e ela não tem participação na gestão da empresa PDA. Por essa razão, ela não tem como dar maiores explicações acerca dos fatos — disse Benzota.

Outras oito pessoas presas na quinta-feira pela Polícia Federal já prestaram depoimento, segundo procuradores que acompanham a operação, entre eles o advogado José Yunes, também amigo de Temer, o ex-ministro Wagner Rossi e o empresário Antônio Celso Grecco, dono da empresa Rodrimar, que teria sido beneficiado pelo decreto dos Portos.

O depoimento de Lima era o mais esperado até o momento porque a PF quer esclarecer de que forma ele bancou a reforma da casa da filha de Temer e saber qual sua relação com empresas do setor portuário.

 

O Globo

Powered by WPeMatico

happy wheels